O que é a CNH Eletrônica e como ela afeta a frota comercial? - XMultas Blog

Quem administra uma frota comercial deve tirar todas as dúvidas sobre CNH eletrônica (CNH-e) o quanto antes, Isso porque com o assunto sendo divulgado em todas as mídias com frequência, os colaboradores ficam curiosos sobre como essa versão do documento pode impactar o trabalho no dia a dia.

Dentro desse contexto, não deixe que a correria administrativa te impeça de estudar sobre as novidades do seu mercado de atuação. Com apenas alguns minutos de pausa, fica muito mais simples reduzir custos com situações burocráticas e desenvolver uma operação cada vez mais competente.

Quer saber mais? Vamos esclarecer como a habilitação eletrônica funciona e mostrar o que muda na frota. Siga com a leitura:

Como funciona a CNH eletrônica?

Desde de 2017, o motorista pode substituir a habilitação física por um documento digital exibido pelo celular. Ocorre que, nos últimos meses, o assunto ganhou bastante evidência agora que todas as instituições de trânsito do Brasil passaram a oferecer as duas modalidades.

No entanto, possuir a CNH eletrônica é opcional para o condutor que pode continuar usando o modelo impresso normalmente. O que mudou mesmo foi a possibilidade de escolher ter as duas versões cadastradas no órgão de trânsito. Ou seja, perante o Detran de cada estado a validade é a mesma — já que a CNH impressa continua sendo obrigatória.

Outro detalhe importante é que só consegue providenciar a habilitação digital quem possui a carteira em papel. De acordo com a visão da instituição, o objetivo da nova regra envolve reduzir o número de multas, especialmente, aos que que costumam esquecer o documento em casa com frequência.

Como fazer a solicitação?

O primeiro passo é verificar se a habilitação em papel possui o QR Code no modelo atualizado do Detran. Quem tem a versão antiga precisa pedir uma segunda via ou fazer sua renovação para conseguir digitalizar os dados. Depois disso, o processo consiste em baixar o aplicativo da CNH-e gratuito pelo iOS ou Google Play e cumprir uma série de outros requisitos. Veja a seguir o passo a passo detalhado:

  • cadastrar o smartphone no Portal de Serviços do Denatran;
  • comparecer ao Detran onde o documento físico foi emitido para confirmar os dados; 
  • baixar o aplicativo;
  • inserir o código de autenticação recebido por e-mail;
  • criar a senha de 4 números. 

Ao final do processo, o documento eletrônico pode ser compartilhado via WhatsApp ou outros aplicativos. A principal recomendação, nesse caso, é ter o máximo de cuidado com páginas falsas que circulam pela internet com o intuito de fraudar os dados dos motoristas cadastrados.

Qual o valor da emissão?

A maioria das instituições de trânsito não cobra para emitir a via digital do documento. Entretanto, existem algumas exceções, como os Estados de Goiás e Piauí que cobram valores entre R$10 e R$200. Para quem não pode ir até o Detran confirmar os dados da CNH física, existe também a possibilidade de fazer uma certificação pelo site.

A cobrança dessa facilidade não é regra, mas também acontece conforme a determinação do órgão responsável. A assinatura eletrônica do certificado possui a mesma validade da física e permite que o motorista realize uma série de solicitações online durante um determinado período.

Independentemente de ser gratuito ou não, você só consegue realizar o procedimento em instituições credenciadas, como os Correios e a Serasa. Quando cobrado, o pacote de um ano de acesso online chega a custar R$164.

Qual o procedimento em uma blitz?

Dirigir sem CNH é considerado uma infração leve quando o motorista possui o documento, mas não está com ele no momento da fiscalização. Por outro lado, conduzir um veículo sem ser habilitado representa uma violação extremamente grave.

Assim, o Detran aposta na CNH eletrônica como uma forma de aumentar a segurança no trânsito e evitar fraudes de modo geral. Quando existir a necessidade de apresentar o documento no celular em uma blitz, o agente de trânsito vai aceitá-lo com a mesma validade jurídica dos padrões atuais.

O grande diferencial é que não será preciso de internet para acessar as informações. Basta ter o aplicativo na lista do smartphone e a senha de quatro dígitos fornecida pelo Detran.

Existem riscos de manter a CNH-e no celular?

Pode até parecer estranho à primeira vista, mas mesmo que o celular do condutor seja roubado, os dados da habilitação permanecem seguros. De acordo com informações do Ministério das Cidades, são usados diversos padrões técnicos para aumentar a segurança do aplicativo.

Entre os principais estão a conferência imediata do atestado de validade do QR Code e a assinatura do certificado eletrônico junto ao Detran. Outra medida importante é bloquear o documento imediatamente em caso de perda ou furto do smartphone.

Quando o condutor possui o certificado digital, essa solicitação pode ser feita online pelo site do Detran. Do contrário, será necessário ir presencialmente até um posto de atendimento para garantir o direito de tirar uma nova via.

O que acontece quando acaba a bateria?

Como circular sem habilitação é uma violação de trânsito, o condutor precisa ficar preparado para todos os cenários ao optar pelo modelo digital. Por exemplo, quando acabar a bateria do celular durante uma blitz, a notificação será registrada como se o motorista tivesse esquecido o documento em casa.

Dessa forma, a multa gera um valor de R$88,38 e a soma de 3 pontos na habilitação junto ao órgão de trânsito. Em uma frota comercial, mesmo que os motoristas tenham a CNH-e, o melhor caminho continua sendo ter o bom e velho documento impresso acessível. Afinal, por passar mais horas ao volante durante o cronograma de entregas, seus funcionários possuem o dobro de chances de serem parados por agentes.

Como otimizar a gestão da burocracia veicular na frota?

Os motoristas profissionais precisam redobrar os cuidados com sua habilitação. O motivo é que o acúmulo de infrações ao longo do tempo tende a causar a suspensão do direito de dirigir e deixá-los inativos.

Em função disso, a CNH eletrônica apresenta vantagens apenas para o condutor pessoa física, já que só é possível consultar um cadastro por vez. No trabalho de uma frota média, por exemplo, seria completamente inviável o acompanhamento da situação de vários motoristas. A melhor dica, nesse caso, envolve contratar uma plataforma de monitoramento de multas e CNHs.

A partir de um levantamento de dados estratégico, você consegue ter controle absoluto de pontuações e status dos documentos de maneira dinâmica. Além disso, ainda é possível resolver todas as pendências veiculares de uma só vez com ajuda de inteligência artificial para impedir que os motoristas fiquem sem trabalhar.

Pronto! Agora você já conhece o impacto da CNH eletrônica na frota comercial. Como o processo de gerenciamento dos documentos costuma ser bastante demorado — quando é feito manualmente —, tudo o que envolve otimização se torna uma forma de reduzir custos. Isto é, ao contar com a tecnologia no gerenciamento da burocracia veicular, será apenas uma questão de tempo para a empresa crescer de maneira significativa.

Gostou das informações deste artigo? Então conheça os planos do XMultas para facilitar o gerenciamento da frota de sua empresa.

tags: CNH eletrônica, frotas comerciais


Comentários: