Entenda de uma vez por todas como funciona o rodízio em São Paulo - XMultas Blog

Visitar ou morar em uma das principais cidades do país exige um cuidado extra com o trânsito. Nesse sentido, entender como funciona o rodízio em São Paulo é essencial para evitar transtornos e multas. Apesar de simples, é fácil se confundir com a restrição de circulação local.

Há quase 20 anos, a capital paulista instituiu a Operação Horário de Pico. Se trata de uma lei municipal em que determinados carros não podem transitar por algumas horas.

E é sobre isso que vamos falar a seguir, confira!

A duração do rodízio é limitada aos horários e locais de maior circulação

Embora seja uma restrição completa, o rodízio não se estende por toda a cidade. Na verdade, apenas o chamado “centro expandido” é que faz parte da determinação. Além disso, como diz a lei, vale apenas para os horários de maior circulação, que são divididos em duas faixas:

  1. de segunda a sexta-feira das 7h às 10h;
  2. de segunda a sexta-feira das 17h às 20h.

Durante essas 6 horas totais, carros e caminhões não podem circular dentro um mini anel viário específico. A região é delimitada pela:

  • Avenida Sarah Maluf e Avenida Professor Luis de Anhaia Mello, na zona Leste;
  • Marginal Tietê, na zona Norte;
  • Rodovia dos Bandeirantes, Avenida Dom Affonso Taunay, Complexo Viário Maria Maluf, Avenida Tancredo Neves e Avenida das Juntas Provisórias, na zona Sul;
  • Marginal Pinheiros, na zona Oeste.

Dentro dessa área, os motociclistas podem transitar normalmente, não precisando seguir o rodízio. Já os demais veículos devem verificar a placa para saber qual é o dia em que não devem trafegar nas áreas delimitadas.

A numeração das placas dos carros determina quem pode ou não trafegar a cada dia

O rodízio possui uma regra muito simples para verificar quem está restrito ou não. O número final da placa determina o dia da semana em que não se pode circular pelo centro expandido durante os horários de pico.

Veja como funciona a divisão:

  • segunda-feira: não podem transitar os automóveis com final de placa 1 e 2;
  • terça-feira: não podem transitar os automóveis com final de placa 3 e 4;
  • quarta-feira: não podem transitar os automóveis com final de placa 5 e 6;
  • quinta-feira: não podem transitar os automóveis com final de placa 7 e 8;
  • sexta-feira: não podem transitar os automóveis com final de placa 9 e 0.

Dessa forma, se você tem um veículo com placa ABC6789, por exemplo, não poderá passar pelo centro expandido às sextas-feiras. Pelo menos não das 7h às 10h e, mais tarde, das 17h às 20h.

Para as placas do Mercosul, que seguem uma padronização diferente, não há qualquer diferenciação até o momento. Uma placa nova BRR4R29, vai seguir a mesma regra da antiga, já que o último dígito continua sendo um número.

A restrição é suspensa aos feriados e nas festas de final de ano

Como o rodízio foi estabelecido como um meio de desafogar o trânsito (e diminuir a emissão de poluentes) de segunda a sexta-feira, o fim de semana é livre para todas as placas.

Além disso, veículos conduzidos ou ocupados por pessoas com deficiência; viaturas policiais e ambulâncias; táxis, guinchos, transporte escolar e carros autorizados de serviços básicos como água e luz, podem circular sem qualquer restrição durante todos os dias.

Um fato interessante é que novas formas de transporte, como o Uber, não possuem a mesma regalia. Como se trata de um serviço alternativo e com regulamentação a parte, a restrição é a mesma de carros comuns.

Até alguns anos atrás, o mês de julho era  liberado para todos os motoristas, por causa das férias escolares. Atualmente, porém, isso não acontece mais. Já no final do ano, a suspensão costuma acontecer por um período de duas semanas. Geralmente não é preciso deixar de trafegar com qualquer placa na semana do Natal e no início de janeiro.

A frota de outras cidades também precisa seguir a lei paulistana

E quando se fala em rodízio baseado no emplacamento, isso vale inclusive para carros que estejam em visita ou a trabalho em São Paulo. Independentemente de contar com emplacamento e outra cidade ou estado, a legislação é a mesma.

O que pode acontecer é ficar mas fácil recorrer da multa, embora o Código de Trânsito pressuponha que não há atenuante em não se ter conhecimento de uma lei.

A multa por circular em dia de restrição pode ser dupla

Uma das principais dúvidas sobre como funciona o rodízio em São Paulo está nas situações especiais. E elas são bastante restritas. Um carro de placa finalizada com 5 e que trafegue na quarta feira, às 17h05, pelo perímetro proibitivo, poderá ser multado da mesma forma que outro que circule às 19h.

Mesmo que se trate de um breve atraso em relação à regra, a legislação não prevê tolerância. Até porque a fiscalização costuma ser essencialmente por vias eletrônicas. Um fiscal da Companhia de Engenharia de Trânsito (CET) poderia até deixar passar, entretanto, isso não costuma acontecer.

Também é importante dizer que você pode ser multado até duas vezes ao dia por furar o rodízio. Caso seja punido mais vezes, é possível recorrer da multa pela internet mesmo, com ajuda de um aplicativo como o do XMultas.

Por meio do app, basta seguir 3 passos simples para preparar seu recurso. É importante, porém, que esse procedimento seja realizado em até 30 dias após a notificação. O uso de uma ferramenta online facilita o processo. Isso porque não gasta mais do que 5 minutos na preparação da defesa.

Para encerrar, tenha em mente que é importante saber como funciona o rodízio em São Paulo para evitar mais transtornos ou recorrer quando acontecer uma situação que considere injusta. E se tiver alguma dúvida, não hesite em consultar este breve guia para saber quando você pode circular sem restrições.

Está se sentindo mais preparado para enfrentar (ou não) o trânsito de São Paulo? Aproveite para baixar o aplicativo do XMultas em seu Android ou iOS. Dessa forma, você ficará pronto para recorrer dessa ou de eventuais outras multas!

Crédito de imagem: Mario Roberto Duran Ortiz

tags: Como funciona o rodízio em São Paulo


Comentários: