Depreciação de veículos: 4 fatores que reduzem o valor patrimonial da sua frota - XMultas Blog

O valor da frota tem um peso considerável no negócio, até mesmo para aqueles que não têm os automóveis como fonte principal de receita. Em função disso, é importante acompanhar a depreciação de veículos com atenção, tomando as ações necessárias para reduzir os prejuízos acumulados com os bens.

A maneira mais conhecida de verificar o preço de mercado de carros, caminhões e utilitários é pela análise da Tabela Fipe. No entanto, o esquema apresenta apenas o preço médio e não considera outras questões de valorização, como a conservação, instalação de itens adicionais ou possíveis avarias.

Para se aprofundar no assunto, descubra 4 aspectos que prejudicam a sua frota e colaboram para uma depreciação precoce. Continue a leitura!

1. Desvalorização de mercado

Todo veículo sofre com o deságio ao longo do tempo. A queda do valor de revenda também é influenciada pelo modelo, cor e marca, fatores que devem ser ponderados na hora de renovar sua frota. Um carro popular de cor básica, por exemplo, tende a preservar seu valor de mercado por mais tempo, se comparado a um importado ou de luxo.

Outro aspecto a considerar é a escolha entre o zero quilômetro e o seminovo. Sabemos que um veículo perde cerca de 20% de seu preço de compra, somente por sair da loja. Em contrapartida, você pode adquirir veículos com 1 ou 2 anos de uso — que ainda não geram dores de cabeça com manutenção — por um valor menor.

2. Alto consumo de combustível

Com o passar dos anos, os carros começam a elevar o consumo de combustível. Isso acontece em função do maior desgaste do motor. Se você der continuidade à operação com veículos nesse estado, o custo pode consumir parte considerável da lucratividade, principalmente se levarmos em conta a volatilidade dos preços do diesel e da gasolina no Brasil.

Outra atitude interessante a se adotar é trabalhar a conscientização dos motoristas quanto à essa questão. Divulgue algumas dicas de dirigibilidade e economia de combustível, pois a forma como eles conduzem reflete diretamente no consumo, desgaste e desvalorização do seu bem.

3. Necessidade constante de manutenção

Quem tem carro sabe que quanto mais velho ele for, mais cuidados e reparos necessita. Agora, imagine não apenas 1, mas 10, 20, 100 veículos parados no seu pátio, precisando de manutenção ao mesmo tempo. Quanto sua empresa teria que desembolsar mensalmente com consertos? Quantas transações deixariam de acontecer?

Essa é outra razão para ficar atento ao tempo de rodagem dos carros, fazendo reposição deles antes que a depreciação seja contabilizada por completo. Realizar manutenções periódicas é uma saída para conservar e manter o valor patrimonial da frota. Além da redução de custos invisíveis, evita-se também possíveis acidentes.

4. Veículos antigos ou mal conservados

Em alguns modelos de negócio, a troca anual dos carros corporativos é uma questão fundamental, já que interfere diretamente na competitividade e aceitação da empresa pelo público. Em outros, essa questão não é primordial e o gestor, muitas vezes, opta por rodar com a mesma frota por anos, para não aumentar seu endividamento.

Embora, em uma visão superficial, essa escolha pareça mais econômica, manter carros antigos no ativo pode ser prejudicial. Além dos gastos com manutenção — que citamos anteriormente — o acúmulo de riscos na lataria, faróis ou puxadores quebrados afetam o valor de revenda dos veículos e levam a perdas no longo prazo para o empreendedor.

De forma geral, as medidas preventivas necessárias para administrar a depreciação de veículos, estão ligadas a uma boa gestão e conscientização da equipe e redução máxima de custos ocultos gerados pela falta de manutenção. Negligenciar esses aspectos extingue, aos poucos, os resultados financeiros e o crescimento da empresa. Portanto, lembre-se de renovar o seu pátio periodicamente.

Por falar em substituição, que tal continuar a leitura e aprender a comprar carros para a empresa com desconto e melhores condições? Certamente o artigo vai ajudar na hora de renovar a frota!

tags: Depreciação de veículos


Comentários: