5 dicas de direção econômica para usar agora mesmo na sua frota - XMultas Blog

Apostar em técnicas de direção econômica é um divisor de águas na frota comercial. De fato, os gastos causados por descuidos no trânsito são significativos e impactam o setor financeiro em longo prazo. Mas você, realmente, ensinar esse conceito aos colaboradores? Caso a resposta seja negativa, torna-se necessário criar uma política educacional rapidamente.

O grande segredo está em compreender que motoristas conscientes fazem muita diferença no retorno dos lucros. Saiba que essas boas práticas também são essenciais para garantir a segurança ao volante e se destacar da concorrência.

Ficou interessado? Vamos mostrar 5 dicas essenciais de como aplicar a direção econômica em sua empresa. Acompanhe:

1. Use combustível de qualidade

O primeiro passo para a direção econômica é ter cuidado com a gasolina ou diesel. Abastecer os carros da frota com combustível de procedência duvidosa pode resultar em uma série de despesas inesperadas. Isso porque o motor sofre rapidamente as consequência pelos danos ao filtro, bombas e velas. Ou seja, muitas vezes, a gasolina mais barata de um posto sem bandeira se transforma em uma verdadeira dor de cabeça.

Para evitar esse tipo de problema, o melhor caminho é buscar fornecedores de confiança e organizar o sistema financeiro para que a gasolina seja considerada um investimento. Afinal, as falhas do veículo representam atrasos no compromisso firmado com os clientes e comprometem a segurança e a forma de condução dos motoristas.

2. Tenha cuidado ao acelerar 

Ao usar o acelerador e o freio de forma exagerada, o motorista acaba gastando mais gasolina do que o necessário durante o trajeto. Por isso, dirigir com cautela é um dos principais mandamentos da direção econômica. O principal problema está em forçar o acelerador e frear bruscamente ao chegar em um semáforo, por exemplo.

Esse hábito nocivo pode ser facilmente evitado quando a empresa encontra uma maneira de orientar seus colaboradores sobre os danos relacionados. Além disso, ter cuidado ao acelerar representa uma forma mais segura de dirigir que faz muita diferença durante o serviço.

3. Avalie a condição dos pneus

Os pneus de um veículo corporativo devem receber atenção especial. Tendo em vista que quando estão murchos interferem diretamente no trabalho — além de reduzir a sua vida útil. O ideal é calibrar os pneus a cada 15 dias durante o de abastecimento da frota com foco em reduzir custos.

Esse processo de monitoramento precisa ser guiado pelo manual de instruções do acessório, pois existem diferenças entre a quantidade de ar indicada nas partes dianteiras e traseiras. Caso aconteça qualquer tipo de equívoco, as chances dos pneus furarem na via são extremamente altas.

4. Incentive o conhecimento na direção econômica 

Um motorista que não sabe fazer reparos básicos no carro representa um gasto a mais na frota. Claro que sempre é necessário ter um mecânico experiente, porém, algumas questões podem ser facilmente resolvidas com um olhar apurado. Veja exemplos de manutenção simples:

  • avaliar o nível de óleo;
  • fazer rodízio entre os pneus;
  • trocar fusíveis; 
  • trocar o líquido de arrefecimento.;
  • verificar o freio de mão;
  • ajustar componentes do volante. 

Essas medidas diminuem consideravelmente os custos com reparos emergenciais e torna o profissional ainda mais qualificado. Outro fator importante é que garantir a autonomia em sua empresa aumenta a confiança da equipe na hora de se posicionar diante dos imprevistos.

5. Evite descer com o carro desengrenado

Circular com o carro desengrenado, na famosa "banguela", gasta mais combustível e aumenta os riscos de acidente. Mesmo com anos de experiência ao volante, alguns motoristas acreditam que essa prática na descida estimula o desempenho do veículo ao impedir que o tanque esvazie rapidamente.

No entanto, quando a "banguela" é acionada, retomar o controle da direção se torna uma tarefa mais difícil. Cabe ao gestor explicar aos colaboradores que além de perigoso, usar o ponto morto na descida é proibido por lei e gera infração média junto aos órgãos de trânsito com o custo de R$130,16.

Agora você já sabe como a direção econômica pode ajudar sua frota. O mais importante é ter em mente que essas práticas, quando aliadas a uma política de conscientização, são fundamentais para reduzir o número de multas e aumentar os lucros da empresa.  

Gastou das informações deste artigo? Então nos siga no LinkedIn, Facebook e Instagram e fique por dentro de conteúdos relacionados.

tags: direção econômica


Comentários: