Gestão fiscal: conheça os documentos para transporte de cargas - XMultas Blog

Para que cargas e mercadorias cheguem corretamente ao destino é preciso tomar cuidado com os documentos. De fato, sem uma gestão fiscal bem elaborada fica difícil compreender quais são as exigências da área de transporte e uma série de prejuízos podem surgir.

O melhor caminho, nesse caso, é priorizar a organização interna para garantir entregas rápidas e seguras sem custos adicionais por irregularidades que geram multas, por exemplo. A partir disso, se torna mais simples manter o alerta ligado na hora de definir as etapas do processo e reduzir a burocracia associada ao trabalho logístico

Quer saber mais? Vamos mostrar quais são os documentos necessários para o transporte de cargas. Acompanhe:

Nota Fiscal Eletrônica — NF-e

A emissão da nota fiscal faz parte de qualquer negociação no comércio brasileiro. A versão eletrônica se tornou o meio mais prático para documentar uma venda ou prestação de serviços. 

Assim, para ser válida, ela precisa de assinatura digital de quem está emitindo. Além disso, por ser virtual, se trata de uma maneira simples de evitar perdas ou imprevistos pelo caminho, já que é de fácil acesso por meio de uma chave.

Documento Auxiliar de Nota Fiscal Eletrônica — DANFE

Como o próprio nome diz, esse documento está relacionado à nota fiscal. Na verdade, é praticamente uma versão impressa da mesma documentação. Por meio dela, fica mais fácil ter acesso aos dados NF-e em qualquer etapa do processo de transporte. Outra função importante envolve registrar a entrega ou o serviço prestado por ser uma espécie de comprovante físico do serviço.

Conhecimento de Transporte Eletrônico — CT-e

Também emitido virtualmente, o documento é responsável por prestar contas do transporte da carga. Seja por via aérea, terrestre, ferroviária, hidro ou dutoviária, sua emissão é importante na gestão fiscal por ser reconhecida de forma jurídica, contábil e fiscal.

Seu objetivo envolve indicar os serviços de transporte e também precisa de assinatura digital para ser validado. Assim como na NF-e, existe um Documento Auxiliar do Conhecimento de Transporte Eletrônico com a versão impressa para fins de acompanhamento físico. 

Manifesto Eletrônico de Documentos Fiscais — MDF-e

O MDF-e é obrigatório quando a empresa de transporte conta com mais de um CT-e. Esse documento foi desenvolvido como uma forma de otimizar o registro fiscal e identificar os detalhes de todo o processo de transporte de uma mercadoria. Passou a ser exigido desde 2014 e se mostra indispensável especialmente na fiscalização aduaneira. 

Sem contar que é muito comum em empresas que possuem frota própria, com arrendamento ou prestador de transporte autônomo com mais de uma nota fiscal ao mesmo tempo. Assim como os demais, conta com uma versão auxiliar que atua como comprovação física de sua emissão. 

Responsabilidade Civil do Transportador Rodoviário de Cargas — RCTR-C

A cargo da empresa transportadora, esse documento está relacionado ao seguro de responsabilidade civil por possíveis danos que possam ser causados a terceiros durante o transporte. Se necessário, será paga uma indenização por colisão, atropelamento ou acidentes em geral. 

Obrigatório, o recurso precisa ser ativado independentemente do seguro que o veículo ou a empresa já possuam. Vale mencionar ainda que o CRLV (Certificado de Registro e Licenciamento de Veículo) precisa estar com o condutor junto da habilitação adequada para que o documento tenha validade.

Ainda que a documentação pareça muito burocrática, a verdade é que se trata de uma proteção extra para sua mercadoria. Se a gestão fiscal for bem feita, se torna mais simples evitar muitos imprevistos e garantir que o produto chegue ao destino com mais tranquilidade. 

E se você trabalha com cargas voláteis, aproveite também para ler sobre o transporte de produtos perigosos e conhecer todas as regras e cuidados sobre o assunto.

tags: Gestão fiscal


Comentários: