Taxa de transporte: conheça as cobranças das rodovias brasileiras - XMultas Blog

O deslocamento de cargas pelas rodovias brasileiras pode ser complexo. Por isso, é preciso ficar por dentro das cobranças de taxa de transporte na legislação para conseguir otimizar gastos e garantir a melhor operação.

A principal função dessas taxas está na cobertura de custos adicionais que englobam documentação e seguros, por exemplo. Na prática, são despesas desenvolvidas para que o trajeto aconteça de maneira tranquila sem deixar de lado as exigências das fiscalizações.

Quer saber mais? Vamos mostrar quais são as principais taxas de transporte para que você organize suas contas a pagar. Acompanhe: 

Frete peso

Esse é o critério básico para a definição do preço de frete. Essa taxa envolve o transporte do produto entre o ponto de saída e chegada. Os custos inseridos em sua definição passam por despesas do veículo, margem de lucro e tarifas administrativas. Além disso, o cálculo costuma ser feito por meio da proporção entre peso bruto e dimensões da carga, sendo que o maior deles é levado em consideração.

Frete valor

A tarifa do frete valor é uma fração do valor da carga conforme descrito na nota fiscal. Também conhecida como Ad valorem, essa cobrança tem o objetivo de cobrir eventuais custos com acidentes e avarias da carga. 

Dentro desse valor, entram também os gastos com manuseio, mão de obra e tudo que envolve a segurança da mercadoria, incluindo o obrigatório seguro de Responsabilidade Civil do Transportador Rodoviário de Carga (RCTR-C).

Taxa de despacho

Essa é uma taxa de transporte destinada a pagar os custos operacionais do transportador que envolve as atividades de coleta e entrega da carga. Na conta, entram todos os itens descritos em uma única nota fiscal. Para empresas que trabalham com a contratação múltipla de fretes, há a possibilidade de unir uma única taxa em várias notas no caso do mesmo destinatário.

Cubagem

Para garantir que o custo do frete esteja de acordo com as necessidades da carga, existe a cubagem. Considere, por exemplo, um item leve que ocupa todo o veículo e outro tão pesado que corre o risco de ser multado na Lei da Balança

Nesse caso, é preciso considerar as particularidades de cada mercadoria. O cálculo da cubagem envolve o volume da carga em metros cúbicos, assim como sua largura, comprimento, valor e o fator cubagem. Como resultado, essa conta contribui na definição do custo do frete. 

Reentrega ou taxa de dificuldade de entrega (TDE)

Em muitas situações uma entrega não pode ser concretizada na primeira tentativa. Assim, sempre que houver dificuldade ocasionada tanto pelo embarcador quanto pelo cliente, há uma tarifa por tentativa de reentrega. Para determinar o valor é considerado a distância entre o destino do objeto e o seu ponto de saída. O valor costuma ficar em torno de 50% do frete a cada nova tentativa.

Pedágio

Os pedágios fazem parte da rotina dos transporte rodoviários. Sua cobrança é determinada pela quantidade de paradas ao longo do trajeto e os custos de cada uma. O valor é de responsabilidade da empresa embarcadora. 

Convém dizer que quando o veículo carrega itens de diferentes remetentes, esse valor deve ser rateado entre eles. Tenha em mente que o pagamento de todas as taxas de transporte é indispensável. Afinal, apenas por meio da quitação dessas cobranças que será possível emitir a Certidão Negativa de Débitos (CND) e comprovar a idoneidade da empresa no mercado.

Em resumo, respeitar cada taxa de transporte nas rodovias brasileiras é o melhor caminho para a integridade da carga. Ainda que indiretos, são custos que permitem que o item chegue ao destino final de forma segura. 

Se você ainda não está convencido da necessidade de manter as contas em dia, aproveite para ler também sobre a interferência da CND nas transações da empresa e a importância do documento para o mercado.

tags: Taxa de transporte


Comentários: